Revista Ação Ergonômica
https://revistaacaoergonomica.org/article/doi/10.4322/rae.v18e202401
Revista Ação Ergonômica
Artigo de Pesquisa

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO: O CASO DE UMA INSTITUIÇÃO FEDERAL DE ENSINO SUPERIOR - CONTRASTE ENTRE O TRABALHO PRESENCIAL E O REMOTO

ERGONOMIC WORK ANALYSIS: THE CASE OF A FEDERAL HIGHER EDUCATION INSTITUTION - CONTRAST BETWEEN PRESENTIAL AND REMOTE WORK

Rodrigo Carvalho Andrade, Luiz Antônio Tonin

Downloads: 13
Views: 340

Resumo

Este artigo abordou, através da perspectiva da ergonomia, um estudo de caso para avaliação das condições ergonômicas dos postos de trabalho de uma unidade administrativa de uma Instituição Federal de Ensino Superior que está em teletrabalho parcial, bem como, dos escritórios pessoais (“home-offices”) de seus servidores, focando não apenas nas condições físicas da unidade e da execução das atividades, mas também nos aspectos cognitivos e organizacionais que envolvem essa dinâmica laboral, considerando o contraste entre o trabalho presencial e o remoto. O artigo apresenta um breve referencial teórico sobre o assunto, ressaltando-se a crescente importância da discussão das modalidades de trabalho presencial e remoto, em termos da metodologia, sendo um estudo de caso exploratório, foram aplicados questionários, entrevistas e observações em situação real. Os resultados obtidos indicaram que os aspectos físico-ambientais necessitam de atenção, a sobrecarga de trabalho foi ressaltada em especial na modalidade presencial, as queixas coletadas (estresse, tensão, ansiedade e falta de autonomia) foram diretamente associadas ao trabalho presencial na instituição. Ao final deste trabalho são apresentadas recomendações para a situação de trabalho e as limitações do estudo. 

Palavras-chave

Escritório, Trabalho Administrativo, Teletrabalho, Home-office, Ergonomia.

Abstract

This paper addressed, through the perspective of ergonomics, a case study to evaluate the ergonomic conditions of the workstations of an administrative unit of an Federal Institution of Higher Education that is partially engaged in teleworking, as well as the personal offices (“home-offices”) of its employees. The focus was not only on the physical conditions of the unit and the execution of activities but also on the cognitive and organizational aspects involved in this work dynamic, considering the contrast between in-person and remote work. The paper presents a brief theoretical reference on the subject, highlighting the growing importance of discussing in-person and remote work modalities, in terms of methodology, it is an exploratory case study, were questionnaires, interviews and observations in a real situation were applied. The obtained results indicated that light attention is needed on physical-environmental aspects, and work overload was particularly emphasized in the in-person modality. The collected complaints (stress, tension, anxiety, and lack of autonomy) were directly associated with in-person work at the institution. At the end of this work, there are recommendations for the work situation, and the study's limitations are discussed.

Translated version DOI: http://doi.org/10.4322/rae.v18e202401.en 

Keywords

Office, Administrative Work, Teleworking, Home office, Ergonomics.

Referências

Almeida, C. P. G. D. (2021). Teletrabalho no Serviço Público Federal: Um Estudo sobre a Viabilidade de Implantação na Universidade Federal de Campina Grande, Sousa – PB (Dissertação de mestrado). Centro de Ciências Jurídicas e Sociais, Universidade Federal de Campina Grande.

Abrahão, J., Sznelwar, L., Silvino, A., Sarmet, M., & Pinho, D. (2009). Introdução à ergonomia: Da prática à teoria. São Paulo: Blucher.

Anderson, B. (1997). Alongue-se no trabalho: Exercícios de alongamento para escritório e computador. São Paulo, SP: Summus Editorial.

Associação Brasileira de Ergonomia (ABERGO). (2020). O que é ergonomia? Recuperado em 04 de dezembro de 2022, de https://www.abergo.org.br/o-que-%C3%A9-ergonomia.

Cañellas, K. V., Forcelini, F., & Odebrecht, C. (2010). A evolução dos postos de trabalho: Aspectos ergonômicos dos escritórios em Blumenau/SC. Diseño en Palermo. V Encuentro Latinoamericano de Diseño, 9, 29-226.

Costa, A. P. L. (2016). Contribuições da ergonomia para a composição de mobiliário e espaços de trabalho em escritório (Tese de doutorado). Universidade Federal de Pernambuco.

Dul, J., & Weerdmeester, B. (2004). Ergonomia prática (2a ed.). São Paulo: Edgard Blücher.

Ferreira, A. S., Merino, E. A. D., & Figueiredo, L. F. G. (2017). Métodos utilizados na ergonomia organizacional: Revisão de literatura. HFD, 6(12), 58–78.

Ferreira, M. S., & Righi, C. A. R. Ergonomia. (S/D). Notas de aula. PUCRS, Porto Alegre. Recuperado em 13 de abril de 2023.

Giglio, C. R. F. S., Galegale, N. V., & Azevedo, M. M. (2018). Vantagens do teletrabalho: Análise da produção científica nos principais congressos brasileiros. Revista GEPROS, 13(4).

Guérin, F., Laville, A., Daniellou, F., Duraffourg, J., & Kerguelen, A. (2001). Compreender o trabalho para transformá-lo - A prática da ergonomia. São Paulo: Editora Blücher: Fundação Vanzolini.

Iida, I. (2005). Ergonomia: Projeto e produção (2a ed.). São Paulo: Blücher.

Iida, I., & Buarque, L. (2016). Ergonomia: Projeto e produção (3a ed.). São Paulo: Edgard Blücher.

Martins, R. A. (2018). Abordagens quantitativa e qualitativa. In P. A. Cauchick Miguel et al. (Eds.), Metodologia de pesquisa em engenharia de produção e gestão de operações (3.ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Mesquita, D. F., & Soares, M. I. (2020). Ergonomia na era do teletrabalho: Impactos para a saúde e segurança do trabalho. Artigo (Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho). Fundação Educacional de Lavras, Lavras.

Nascimento, A., & Rocha, R. (2018). Análise do trabalho em ergonomia: Modelos, métodos e ferramentas. In P. A. Cauchick Miguel et al. (Eds.), Metodologia de pesquisa em engenharia de produção e gestão de operações (3.ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Oliveira, M., & Keine, S. (2020). Aspectos e comportamentos ergonômicos no teletrabalho. Revista Produção Online, 20(4), 1405-1434.

Oseland, N. (2009). The impact of psychological needs on office design. Journal of Corporate Real Estate, 11(4), 244-254.

Ribeiro, B. M. S. S., Robazzi, M. L. C. C., & Dalri, R. M. B. (2021). Saúde mental e teletrabalhadores: Revisão integrativa. Revista Saúde e Meio Ambiente, 12(02), 127-147.

Sampaio, K. R. A., & Batista, V. (2021). Análise ergonômica do trabalho (AET) no ambiente de escritório: Um estudo de caso em uma empresa na cidade de Manaus-AM. Research, Society and Development, 10(7).

Silva, G. G. S., Mattozo, T. R., Merino, E. A. D., & Batista, V. J. (2014). Análise ergonômica do posto de trabalho de uma oficina de órteses e próteses para reabilitação de pessoas com deficiência. DAPesquisa, 9(12), 01-19.

Stewart, T. (1985). Ergonomics of the office. Ergonomics, 28(8), 1165-1177.

Wisner, A. (1994). A inteligência do trabalho: Textos selecionados de ergonomia. São Paulo: Fundacentro.

 

6622be93a95395487376e263 abergo Articles
Links & Downloads

R. Ação Ergon.

Share this page
Page Sections