Revista Ação Ergonômica
https://revistaacaoergonomica.org/article/doi/10.4322/rae.v18e202403
Revista Ação Ergonômica
Artigo de Pesquisa

BEM-ESTAR BIOPSICOSSOCIAL E O SENTIDO DO TRABALHO: A NECESSIDADE DE POLÍTICAS PÚBLICAS INTERDISCIPLINARES

  BIOPSYCHOSOCIAL WELL-BEING AND THE MEANING OF WORK:   THE NEED FOR INTERDISCIPLINARY PUBLIC POLICIES

Sandra Francisca Bezerra Gemma, Gustavo Tank Bergström, Bruna Pirino

Downloads: 9
Views: 315

Resumo

Este artigo buscou investigar como as políticas públicas interdisciplinares podem contribuir para implementar o conceito de saúde biopsicossocial da Organização Mundial da Saúde e reforçar o sentido do trabalho para quem o exerce. Neste sentido, objetivou-se relacionar o termo de Trabalho Decente, apresentado pela Organização Internacional do Trabalho, a definição de “trabalho sustentável” e sua associação com o bem-estar biopsicossocial em prol do tratamento e prevenção por meio de políticas públicas a partir do referencial da Psicodinâmica do trabalho. Em relação à justificativa deste trabalho, há o aumento das reclamações trabalhistas almejando o reconhecimento do sofrimento psíquico e doenças mentais às condições de trabalho cumuladas com pedido de indenização moral, além do reconhecimento da Síndrome de Burnout como doença ocupacional pela Organização Mundial da Saúde. A metodologia utilizada comporta uma revisão bibliográfica focada nas abordagens do Direito, da Psicodinâmica do Trabalho e da Ergonomia. Por fim, foi possível conectar as terminologias, além de identificar que todas visam condições adequadas de trabalho para evitar que os operadores percam o sentido deste ou que este seja precarizado em detrimento da produção.

Palavras-chave

Saúde, Bem-estar Biopsicossocial, Políticas Públicas.

Abstract

This article sought to investigate how interdisciplinary public policies can help implement the World Health Organization's concept of biopsychosocial health and reinforce the meaning of work for those who carry it out. In this sense, this study aimed to relate the term Decent Work, presented by the International Labor Organization, the definition of "sustainable work", and its association with biopsychosocial well-being in favor of treatment and prevention through public policies based on the framework of work psychodynamics. With regard to the justification for this work, there has been an increase in labor claims seeking recognition of psychological suffering and mental illness due to working conditions, coupled with a claim for moral compensation, in addition to the recognition of Burnout Syndrome as an occupational disease by the World Health Organization. The methodology used includes a bibliographical review focused on the approaches of Law, Psychodynamics of Work and Ergonomics. In the end, it was possible to connect the terminologies, as well as identifying that all of them are aimed at adequate working conditions to prevent operators from losing the meaning of their work or making it precarious to the detriment of production

Translated version DOI: https://doi.org/10.4322/rae.v18e202403.en

Keywords

Health, Biopsychosocial Well-being, Public Policy.

Referências

Adorno, T. L. W., & Horkheimer, M. (2014). O conceito de esclarecimento. In T. L. W. Adorno & M. Horkheimer (Eds.), Dialética do esclarecimento (3a ed., pp. 10-225). Rio de Janeiro: Zahar. Recuperado em 01 de junho de 2023, de file:///C:/Users/usuario/Downloads/2.%20CH001%20Dial%C3%A9tica%20do%20esclarecimento%2003_04%20grifado%20e%20com%20trechos%20no%20artigo.pdf.

Alonso, C. M. C. (2023). Tarefa. In R. Rocha & L. M. Baú (Eds.), Dicionário de Ergonomia e Fatores Humanos: o contexto brasileiro em 110 verbetes (1a ed., pp. 297-299). Rio de Janeiro: Abergo. Recuperado em 07 de janeiro de 2024, de https://www.abergo.org.br/_files/ugd/18ffee_f0a65026b42e43a7a9bbbec568043a40.pdf.

Beger, P. L., & Luckmann, T. (2004). A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento (24a ed.). Petrópolis: Vozes. Recuperado em 15 de novembro de 2023, de https://cristianorodriguesdotcom.files.wordpress.com/2013/06/bergerluckman.pdf.

Beltramelli Neto, S., & Voltani, J. C. (2018). A Indeterminabilidade do Conceito de Trabalho Decente: Breve análise semântica desde documentos oficiais da OIT. Revista de Direito Internacional, 16(1), 166-186. https://doi.org/10.5102/rdi.v16i1.5900

Beltramelli Neto, S., & Voltani, J. C. (2019). Investigação histórica do conteúdo da concepção de Trabalho Decente no âmbito da OIT e uma análise de sua justiciabilidade. Revista de Direito Internacional, 16(1), 166-186. https://doi.org/10.5102/rdi.v16i1.5900

Brasil. (1991, 25 de julho). Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

Brasil. (2007, 13 de fevereiro). Decreto nº 6.042, de 12 de fevereiro de 2007. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

Conselho Federal de Enfermagem. (2022). Brasil vive uma segunda pandemia, agora na Saúde Mental. Recuperado em 04 de junho de 2023, de http://www.cofen.gov.br/brasil-enfrenta-uma-segunda-pandemia-agora-na-saude-mental_103538.html

Conselho Nacional de Justiça. (2019). Saúde mental e trabalho no Poder Judiciário. Recuperado em 04 de junho de 2023, de https://www.cnmp.mp.br/saude_mental/images/downloads/saude_mental_e_trabalho_no_poder_judiciario_cnj.pdf

Dejours, C. (1992). A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho (5a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Dejours, C. (2012). Trabalho vivo: Trabalho e emancipação (1a ed., v.2., pp. 221). Brasília, DF: Paralelo 15. 

Ferreira, L. L. (2023). Trabalho. In R. Rocha & L. M. Baú (Eds.), Dicionário de Ergonomia e Fatores Humanos: o contexto brasileiro em 110 verbetes (1a ed., pp. 318-320). Rio de Janeiro: Abergo. Recuperado em 07 de janeiro de 2024, de https://www.abergo.org.br/_files/ugd/18ffee_f0a65026b42e43a7a9bbbec568043a40.pdf.

Jackson Filho, J. M., & Garrigou, A. (2023). Atividade. In R. Rocha & L. M. Baú (Eds.), Dicionário de Ergonomia e Fatores Humanos: o contexto brasileiro em 110 verbetes (1a ed., pp. 30-31). Rio de Janeiro: Abergo. Recuperado de https://www.abergo.org.br/_files/ugd/18ffee_f0a65026b42e43a7a9bbbec568043a40.pdf

Messias, I. A. (2023). Variabilidade. In R. Rocha & L. M. Baú (Eds.), Dicionário de Ergonomia e Fatores Humanos: o contexto brasileiro em 110 verbetes (1a ed., pp. 342-344). Rio de Janeiro: Abergo. Recuperado de https://www.abergo.org.br/_files/ugd/18ffee_f0a65026b42e43a7a9bbbec568043a40.pdf

Morin, E. (2005). Ciência com consciência (82a ed.). Rio de Janeiro: Betrand Brasil.

Nardi, H. C., & Ramminger, T. (2012). Políticas públicas em saúde mental e trabalho: desafios políticos e epistemológicos. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(2), 374-387. https://doi.org/10.1590/S1414-98932012000200008

Organização Internacional do Trabalho. (1999). Conferência Internacional do Trabalho. 87ª reunião. Memória Del Director General: Trabajo Decente. Recuperado em 26 de maio de 2021, de http://www.ilo.org/public/spanish/standards/relm/ilc/ilc87/rep-i.htm

Organização Mundial da Saúde. (1946). Constituição da Organização Mundial da Saúde. Recuperado em 13 de junho de 2023, de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/5733496/mod_resource/content/0/Constitui%C3%A7%C3%A3o%20da%20Organiza%C3%A7%C3%A3o%20Mundial%20da%20Sa%C3%BAde%20%28WHO%29%20-%201946%20-%20OMS.pdf

Organização Mundial da Saúde. (2001). Relatório Mundial da Saúde: Saúde Mental: nova concepção, nova esperança. Genebra. Recuperado em 30 de outubro de 2022, de https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/0205.pdf

Organização Mundial da Saúde. (2002). Relatório Mundial sobre Violência e Saúde. Genebra. Recuperado em 30 de outubro de 2022, de https://portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br/wp-content/uploads/2019/04/14142032-relatoriomundial-sobre-violencia-e-saude.pdf

Organização Pan-Americana da Saúde. (2022). Versão final da nova Classificação Internacional de Doenças da OMS (CID-11) é publicada. Recuperado em 4 de junho de 2023, de https://www.paho.org/pt/noticias/11-2-2022-versao-final-da-nova-classificacao-internacional-doencas-da-oms-cid-11-e

Sznelwar, L. I., Brunoro, C. M., Bolis, I., & Hidani, P. (2011). Produção, sustentabilidade e trabalho: Reflexões baseadas na ergonomia e na psicodinâmica do trabalho. In J. Amato (Org.), Sustentabilidade & Produção: teoria e prática para uma gestão sustentável (1a ed., pp. 137-157). São Paulo: Atlas

Tribunal Superior do Trabalho. (2021). Saúde Mental no Trabalho: a construção do trabalho seguro depende de todos nós. Recuperado em 4 de junho de 2023, de https://www.tst.jus.br/noticias/-/asset_publisher/89Dk/content/id/27270562/pop_up

Vidal, M. F. (2011). Indenização por doença psíquica no ambiente de trabalho: o direito (e o juiz) no fogo cruzado do nexo causal. Revista do Tribunal Regional do Trabalho da 3a Região, 83(53), 165-196. Recuperado em 2 de outubro de 2022, de https://as1.trt3.jus.br/bd-trt3/handle/11103/27125

World Health Organization. (2022). World Mental Health Report: Transforming mental health for all. Genebra. Recuperado em 10 de junho de 2023, de file:///C:/Users/User/Downloads/9789240049338-eng.pdf

 

6622c2f0a953954ab801e7f2 abergo Articles
Links & Downloads

R. Ação Ergon.

Share this page
Page Sections