Revista Ação Ergonômica
https://revistaacaoergonomica.org/article/doi/10.4322/rae.v17e202306
Revista Ação Ergonômica
Artigo de Pesquisa

“LIGA O VENTILADOR PROFESSOR...” UMA ANÁLISE PÓS-OCUPAÇÃO SOBRE CONFORTO TÉRMICO DE UM LABORATÓRIO UNIVERSITÁRIO

“TURN ON THE TEACHER FAN ...” A POST-OCCUPATION ANALYSIS ON THERMAL COMFORT IN A UNIVERSITY LABORATORY

Guilherme Fernando de Araújo

Downloads: 3
Views: 410

Resumo

Ao longo da história do trabalho, o corpo do ser humano foi se adaptando a diversos ambientes laborais e às mudanças que ocorriam no mesmo, criando mecanismos próprios que proporcionassem uma melhor sensação de conforto térmico a estes ambientes. Atualmente diversas atividades são executadas em ambientes fechados que, por sua vez, sendo mal projetados, geram problemas ergonômicos, má iluminação e mau aproveitamento da ventilação natural e artificial. Hoje em dia, já existe uma preocupação em fazer modificações nos locais de trabalho para que os mesmos se adaptem aos seus usuários. Sendo assim, se tornou necessário investir em pesquisas sobre o conforto térmico. Portanto, o presente artigo tem como objetivo analisar o conforto térmico em um laboratório nas instalações de uma universidade localizada na região Centro Oeste de Minas Gerais, buscando identificar como a concepção de um espaço pode influenciar na sensação térmica. Os resultados encontrados mostraram que modificações sem análises a priori no ambiente em questão, aumentaram em 20% os pontos de desconformidade térmica, ficando fora do intervalo de conforto o (-0,82< VME<0,82).

Palavras-chave

Conforto Térmico, Ambiente de Trabalho, Laboratório.

Abstract

Throughout the history of work, the human body has been adapting to different working environments and the changes that occurred in it, creating its own mechanisms that provide a better feeling of thermal comfort to these environments. Currently, several activities are performed in closed environments that, in turn, being poorly designed, generate ergonomic problems, poor lighting and poor use of natural and artificial ventilation. Nowadays, there is already a concern to make changes in the workplaces so that they adapt to their users. Therefore, it became necessary to invest in research on thermal comfort. Therefore, this article aims to analyze thermal comfort in a laboratory at the facilities of a university located in the Midwest region of Minas Gerais, seeking to identify how the design of a space can influence the thermal sensation. The results found showed that modifications without prior analysis in the environment in question, increased the points of thermal non-conformity by 20%, remaining outside the comfort range (-0.82<VME<0,82).

 Translated version DOI: https://doi.org/10.4322/rae.v17e202306.en

 

 

Keywords

Thermal Comfort, Workplace, Laboratory.

Referências

Andreasi, W. A. (2009). Método para avaliação de conforto térmico em região de clima quente e úmido do Brasil.

Batiz, E. C. et al. (2009). Avaliação do conforto térmico no aprendizado: estudo de caso sobre influência na atenção e memória. Produção, 19(3), 477-488.

Ferraz, E. O. (2010). Avaliação pós-ocupação: estudo de caso em condomínio habitacional na cidade de Feira de Santana.

Filho, E. D. F. M. (2008). Avaliação pós-ocupação com ênfase em conforto ambiental em edifício residencial projetado pelo Arq. Niemeyer: o caso do edifício Montreal em São Paulo – SP.

Frota, A. B., & Schiffer, S. R. (2001). Manual de conforto térmico (5a ed.). São Paulo: Studio Nobel.

Lamberts, R. (2011). Conforto e stress térmico.

Lamberts, R. (2014). Desempenho térmico em edificações: conforto térmico.

Leite, B. C. C. (2003). Sistema de ar condicionado com insuflamento pelo piso em ambientes de escritórios: avaliação do conforto térmico e condições de operação.

Nogueira, M. C. D. J. A., Duarte, L. C., & Nogueira, J. D. S. (2005). Conforto térmico na escola pública em Cuiabá - MT: Estudo de caso. Revista Eletrônica Mestrado Educação Ambiental, 14.

NR, Norma Regulamentadora Ministério do Trabalho e Emprego. (2009). NR-17 - Ergonomia.

Oliveira, G. S. J. F. D. et al. (2010). Conforto térmico no ambiente de trabalho: avaliação das variáveis subjetivas da percepção do calor. In Anais do VII Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia.

Perissinotto, M. et al. (2009). Conforto térmico de bovinos leiteiros confinados em clima subtropical e mediterrâneo pela análise de parâmetros fisiológicos utilizando a teoria dos conjuntos fuzzy. Ciência Rural, 39(5), 1492-1498.

Rheingantz, P. A., Cosenza, C. A., & Lima, H. C. E. F. R. (2006). Avaliação pós-ocupação.

Rocha, M. V. M. (2007). Avaliação pós-ocupação de edifício institucional estruturado em aço: o caso da sede da prefeitura municipal de Mariana, MG.

Ruas, Á. C. (1999). Conforto térmico nos ambientes de trabalho. [S.l.]: FUNDACENTRO.

Ruas, Á. C. (2001). Avaliação de conforto térmico: contribuição à aplicação prática das normas internacionais.

Sevegnani, K. B., Filho, H. G., & Silva, I. J. O. D. (1994). Comparação de vários materiais de cobertura através de índices de conforto térmico. Scientia Agricola, 51(1), 1-7.

Wargocki, P. et al. (2005). The effects of classroom air temperature and outdoor air supply rate on performance of school work by children. Proceedings of Indoor Air 2005, the 10th International Conference on Indoor Air Quality and Climate, 368-372.

64f72f79a953955a29310d52 abergo Articles
Links & Downloads

R. Ação Ergon.

Share this page
Page Sections